Viagem

Coimbra

Coimbra, em Portugal, é uma cidade encantadora. Da histórica Universidade, no alto da colina de Alcaçova, até as ruas estreitas e escadarias da cidade baixa, não tem como não se apaixonar! Quase todos os pontos de interesse podem ser feitos a pé, apesar do sobe e desce de ladeiras.

Fomos de carro de Lisboa até Coimbra, que são 208 Km aproximadamente. Primeiro paramos no Santuário de Nossa Senhora de Fátima para orações e seguimos viagem.  Chegamos perto do almoço e depois de nos deliciarmos numa ótima tasca, passamos o resto do dia caminhando pela cidade. Local da mais antiga Universidade do país, onde nasceram seis reis, foi fundada por romanos e já foi a capital do governo português, quando Afonso Henriques decidiu mudar a sede de Guimarães para o Sul, Coimbra tem um importante passado histórico e ele está lá presente em todos os cantinhos.

Estacionamos o carro na cidade baixa e lá fomos nós! No início do passeio tinha uma chuvinha fina, mas depois apareceu um lindo céu azul com sol.  A seguir, nosso encontro com Coimbra:

Praça do Comércio com muitas mesas de cafés.

 

Meus librianos (piada interna) posando na principal e mais movimentada praça.

 

Deliciosa tasquinha na Rua Ferreira Borges e Santo Antônio protegendo o almoço!

 

O salão ficava no segundo andar. Observe o tamanho das escadas, foi divertido.

 

Encontramos muitos estudantes de todos os lugares do mundo, ouvimos vários idiomas.

 

Confesso que deu medo dessa água, mas tudo acabou bem!!

 

De volta a Praça do Comércio.

 

Igreja São Tiago do século 12.

 

Aqui começa nossa subida para a cidade alta. Logo na entrada, na rua Ferreira Borges, encontra-se o Arco de Almedina, do século 12, a principal entrada para a cidade antiga. Em árabe, medina significa cidade.  Os degraus levam à Torre de Anto, com medalhões e janelas renascentistas da oficina de Jean de Rouen, escultor do século 16. Hoje na torre tem galeria de arte e artesanato.

Nossa subida foi um pouco cansativa para nossa filha Martina, porque é íngreme de verdade. Lá pelas tantas, tivemos que fazer muitas brincadeiras para distraí-la para aguentar o percurso. Em um certo momento, cruzamos um homem com sorriso largo que viu a cena de dois pais praticamente empurrando a filha ladeira a cima e ele disse com aquele sotaque português bem carregado e simpatia: – Calma rapariga, tem só mais um bocadinho!!!  Até hoje lembramos disso!

 

 

 

 

 

 

 

A estátua  A Tricana de Coimbra no Largo de Quebra Costas.

É um verdadeiro labirinto de ruelas e casas que rumam ao alto da colina. Tem muitas repúblicas de estudantes desde a Idade Média.

 

 

 

 

As duas catedrais de Coimbra, a Sé Velha e a Sé Nova ficam à sombra da Universidade.

 

 

 

O rio Mondego que corta Coimbra visto do alto.

Dom Diniz fundou a Universidade em 1220, uma das mais antigas e ilustres do mundo. Em 1537 ela foi transferida para Coimbra, no local onde era o Palácio do rei Afonso. Os estudos se concentravam em teologia, medicina e direito até que as reformas feitas pelo Marquês de Pombal na década de 1770, ampliaram o currículo. Aqui estudou Eça de Queirós e quase vi nas escadarias do Paço das Escolas, Carlos da Maia e João da Ega, personagens de Os Maias. A biblioteca Joanina, expoente do barroco português é uma das mais ricas bibliotecas europeias.

Estátua de D. João III no Paço.

 

Ao fundo a Via Latina. É um caminho com colunas acrescentado ao palácio original no século 18. O brasão de armas português sobre a escadaria dupla está coroado pela estátua da Sabedoria e abaixo, figuras da Justiça e Fortitude.

 

O Marquês de Pombal modernizou a Universidade.

 

O Paço das Escolas.

 

Conhecendo os arredores.

 

Cada prédio desses é uma faculdade.

 

 

Hora de voltar! Mas como diz o ditado: para descer todo Santo ajuda!

 

Uma pausa para os doces portugueses! Ah os doces…

 

De volta a cidade baixa, ao norte da Praça do Comércio, na Praça 8 de maio encontra-se a histórica Igreja de Santa Cruz.

 

Os primeiros dois reis de Portugal estão enterrados aqui, assim como os monges do mosteiro de Santa Cruz, que foram os primeiros professores da Universidade de Coimbra.

 

Rei Afonso Henriques, o primeiro de Portugal.

 

Uma linda imagem de Santo Antônio lá no fundo e o belíssimo trabalho em azulejaria.

3 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s